fbpx

Impressão 3D

Falar das impressoras 3D requer uma cautela grande. Esta é uma área onde a revolução está sendo de tal velocidade que os padrões tecnológicos ainda não estão estabelecidos. A prudência manda advertir que o que estamos dizendo hoje poderá, dentro de muito pouco tempo, ter sofrido uma grande transformação.

As impressoras 3D produzem objetos em três dimensões. Um impressora comum desenha, como sabemos todos, em duas dimensões. Ela adiciona tinta ao papel.

A impressora 3D cria objetos. Existem várias formas de criar objetos em 3 dimensões, mas a forma mais comum e geral é a que adiciona camadas. Ela sobrepõe camadas de um material, compactando-as, agregando os materiais por aquecimento. Por isso, muitos a chamam de manufatura aditiva.

Como você está vendo, é possível montar um doce camada por camada! Um doce mesmo! De chocolate, de merengue, de frutas. O doce pode ser construído com formas inovadoras.

É possível criar todo tipo de objeto, pois existem impressoras que utilizam os mais diferentes materiais: plásticos, cerâmicas, vidros, metais e até matérias orgânicas! Isso mesmo: tem impressoras que juntam células para construir órgãos.

Entre as vantagens das impressoras 3D, está a facilidade para transformar um projeto em um produto. Tornaram-se muito mais fáceis os processos de fabricação que precisam de um modelo físico, um protótipo.

Até pouco tempo atrás, este era um processo artesanal e que exigia bastante habilidade manual. Pense na maquete de um prédio. Na manufatura tradicional, esta prototipagem é muito demorada e sujeita a muitas falhas. A impressão 3D é a forma mais evoluída e rápida de fazer protótipos.

As empresas, então, podem encurtar o tempo entre o projeto e a produção? Exatamente. Usando softwares de design de produtos, os projetistas criam o produto em seu formato digital. Com um simples clique, o projeto é enviado à impressora 3D que, com grande precisão, fabrica o protótipo de maneira muito rápida.

Você poderia citar outras vantagens da impressão 3D? O potencial do uso das impressoras 3D é enorme. Esta interação entre o projeto e a fabricação é uma vantagem tremenda, mas não é a única.

Pense na produção de peças e componentes específicos para um avião. Existem partes que tinham que ser produzidas artesanalmente, não tinham escala para a produção em série e eram muito delicadas.

A mesma coisa em relação a próteses. Vejamos um dente. Cada dente, de um mesmo indivíduo, é extremamente particular, tem um desenho diferente. Feito o molde, ele é escaneado e a impressora pode reproduzi-lo.

A impressora 3D produz de forma mais barata? Como falamos, fica mais barato e rápido fazer os protótipos e objetos muito específicos. O preço de diversas mercadorias em impressoras 3D vai depender do tipo de produto.

Produtos que são fabricados em larga escala e de forma complexa, como um automóvel, dificilmente deixarão de ser produzidos numa linha de montagem. Mas peças de reposição, como um para-choque, não precisariam ser estocadas e poderiam ser produzidas na hora, sob demanda.

Joias, alta costura, sapatos de produção artesanal, ou seja, um tipo de bem que não é produzido em larga escala ou que precisa ser adaptado para necessidades especiais dos clientes – que precisa ser customizado – poderão ser crescentemente fabricados em impressoras 3D.

O exemplo maior de fabricação customizada é o das próteses: precisam ser resistentes e customizadas para cada usuário. Isto aumenta a eficiência da prótese, reduz a dor e também a rejeição.

Um exemplo é o da empresa Invisalign, que produz cerca de 60.000 aparelhos odontológicos por dia utilizando impressoras 3D.

Todo tipo de peça especial de alto valor também pode ser produzido por impressoras 3D: peças de aviões e foguetes, componentes para equipamentos eletrônicos e até, como vimos, bens de consumo sofisticados.

Em 2014, a NIKE lançou uma mochila e uma caneleira produzidas em impressoras 3D. Os produtos foram feitos de forma personalizada para Neymar, Wayne Rooney e Cristiano Ronaldo.

Apenas as empresas industriais estão usando as impressoras 3D? Claro que não! Outro exemplo interessante é a construção de casas! Veja o caso de Xangai, na China. Em 29 março de 2014, foram construídas dez casas usando a impressão 3D. As edificações foram criadas inteiramente em concreto usando uma gigante impressora 3D.

A empresa WinSun construiu 10 casas com 20 metros de altura, 33 metros de largura e 132 metros de comprimento, em menos de 24 horas! As peças, como molduras e paredes, foram impressas separadamente. A estrutura impressa respeita o meio ambiente, pois utiliza resíduos de construção reciclados, resíduos industriais e rejeitos em geral.

A empresa produz uma mistura de cimento e resíduos para construir uma parede camada por camada. Ademais de não agredir o meio ambiente, possui uma ótima relação custo-benefício. Isto é, o custo de produção destas casas é menor que o dos métodos tradicionais.

Recentemente, a WinSun anunciou a construção do maior edifício impresso em 3D, uma casa residencial de 5 andares. A moradia mede 1.100 metros quadrados!

E o uso doméstico destas impressoras? Com a queda dos preços, o aumento do número de fabricantes e a difusão dos softwares de projetos, é possível adquirir uma impressora 3D por cerca de US$ 1.000. É previsível que assistamos no curto prazo a uma queda significativa deste preço.

As vendas de Impressoras 3D pessoais para os designers, engenheiros e arquitetos já se tornou comum. Mas os avanços apontam para uma grande transformação: esses usos mais recentes de impressão 3D poderão alterar as relações entre produtores e consumidores. Com os consumidores imprimindo seus próprios produtos.

<iframe src="https://www.youtube.com/embed/9bDR-kpiVvc" width="1280" height="720" frameborder="0" allowfullscreen="allowfullscreen"></iframe>